Categorias
CARGOS & RENDA

TCS tem 150 vagas abertas para profissões do futuro na área de TI

Companhia busca cientista de dados, analista de business intelligence, desenvolvedores de app, entre outros profissionais

A multinacional de origem indiana Tata Consultancy Services (TCS) anunciou nesta quinta-feira (20) a abertura de 150 vagas para suas operações em São Paulo, Londrina e Rio de Janeiro. A companhia espera aumentar seu quadro de funcionários em 33% em relação à 2019 – o que corresponde a abertura de mil novas posições até o fim de 2020.

Entre as posições abertas estão profissões em alta no setor de tecnologia da informação, as chamadas profissões do futuro, como a de Analista de Business Intelligence (BI)Cientista de Dados e Desenvolvedores de aplicativos para celulares.

A TCS também procura talentos para os cargos de analistas e especialistas em TI com conhecimento nas tecnologias Python, JavaScript, Java, Linux, SQL, C++, C, C#, .NET, SAP e Oracle para atuar nos setores de Bancos e Seguros, Manufatura, Energia e Varejo.

As vagas são para todos os níveis de experiência (Junior, Pleno e Senior) e os contratos cumprem as regras do regime CLT com todos os benefícios, informa a TCS.

Interessados devem inscrever seus currículos na plataforma TCS Careers, através do link.

Categorias
CARGOS & RENDA MERCADO

Mercado de TI pode apresentar deficit de 290 mil profissionais em 2024

Falta de profissionais de tecnologia já é uma realidade, nas áreas de desenvolvedores mobile, arquitetos de solução, computação e nuvem, data analytics, segurança cibernética e inteligência artificial

Existem atualmente 845 mil empregos no setor de Tecnologia da Informação no Brasil, e a demanda anual por novos talentos projetada entre 2019 e 2024 está em 70 mil profissionais.

Porém, apenas 46 mil pessoas se formam por ano no Ensino Superior com o perfil necessário para atender essas vagas. Segundo estudo divulgado pela Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), o mercado de TI pode apresentar um déficit de 290 mil profissionais em 2024.

“Na minha visão, a transformação digital deixou de ser apenas um assunto de mercado, mas uma transição essencial, um caminho sem volta. Todas as empresas, principalmente as tradicionais devem caminhar para se tornarem uma empresa de tecnologia e principalmente focada na jornada dos seus clientes. O déficit de profissionais de tecnologia já é uma realidade, principalmente na área de desenvolvedores mobile, arquitetos de solução, computação e nuvem, data analytics, segurança cibernética, inteligência artificial, para citar algumas”, diz Cristiano Kanashiro, CEO da GO.K, consultoria de inovação digital.

Segundo o estudo, para garantir que não haja um “apagão técnico” em um futuro próximo, é preciso contar com políticas de incentivos estudantis e maior fomento para graduações em tecnologia para aumentar a mão de obra qualificada na área de Tecnologia da Informação e Comunicação.

Para atender a demanda de mercado que já existe, a GO.K desenvolveu uma unidade de negócios focada em conduzir a transformação digital dentro das empresas.

“Lançamos recentemente uma “Business Unit” focada em desenhar equipes de liderança e gestão estratégica com diferentes habilidades e conhecimentos para desenvolver inovação e projetos digitais dentro das empresas”, conta Kanashiro. “A prática do outsourcing já existe faz tempo, porém identificamos uma lacuna – apenas contratar profissionais e alocá-los dentro do cliente não funciona, é preciso ter gestão, metodologia, práticas, trazer a cultura de inovação para que o choque com a cultura anterior seja minimizado”, explica. Segundo Kanashiro é preciso levar uma bagagem de gestão que envolve 3 grandes pilares, estratégia, experiencia e tecnologia. Para reforçar a nova unidade de negócios o time conta com a business partner Monique Ferrari e o business development Rafael Bellarmino.

Kanashiro tem consciência que futuramente o movimento natural será que empresas absorvam essas unidades e equipes, ainda assim, para se tornar digital é preciso um esforço maior que criar uma área e contratar profissionais. “Existe o choque cultural e é fundamental ter uma visão de atuação bimodal, ou seja, sem atrito, unificando o legado com o novo. É preciso gestão de inovação e é nessa frente que nossa “Business Unit” vem atuar”.

Investindo no futuro

Com base no déficit de profissionais de tecnologia, a GO.K também está implementando ações para a formação de profissionais, além do Programa de Trainee existe o Jovem Goker que é um programa de Jovem Aprendiz que seleciona candidatos a partir de 14 anos, e ao longo de pouco mais de um ano oferece experiências em todas as áreas da empresa, incluindo Business, Design, Desenvolvimento e Gestão de Projetos. Depois de pouco mais de um ano, o objetivo é que o jovem tenha adquirido o espírito inovador e conhecimento em tecnologia. “É uma imersão no universo de inovação e transformação digital. O objetivo é, também, colaborar para suprir as necessidades do mercado”, conclui Kanashiro.

Categorias
CARGOS & RENDA MERCADO

Veja a média de salário mensal de alguns cargos de TI no mercado brasileiro

O Love Mondays, plataforma em que profissionais avaliam as empresas onde trabalham, revelou dados sobre os salários médios de alguns cargos do setor de tecnologia da informação no Brasil.

Algumas considerações sobre a informação devem ser levadas em conta: foram considerados apenas cargos com mais de 30 salários publicados na plataforma e os valores são referentes apenas a empresas do setor de tecnologia e telecomunicações. Os valores apresentados são uma média mensal.

Confira a seguir a lista com cargo, média mensal de salário e a quantidade de salários revelada no site Love Mondays:

  • Senior Manager: R$ 18.729,13 (206 salários considerados)
  • Diretor Comercial: R$ 14.679,22 (82 salários considerados)
  • Account Executive: R$ 14.110,93 (40 salários considerados)
  • Sales Manager: R$ 14.033,04 (167 salários considerados)
  • Solution Architect: R$13.691,85 (33 salários considerados)
  • System Engineer: R$ 13.059,58  (34 salários considerados)
  • Gerente de Operações: R$ 12.763,73 (110 salários considerados)
  • Consultor SAP Sênior:  R$ 12.578,24 (41 salários considerados)
  • Gerente de Projetos (GP) Sênior: R$ 12.564,85 (158 salários considerados)
  • Gerente de Desenvolvimento: R$ 11.522,59 (61 salários considerados)
Categorias
CARGOS & RENDA

Como usar a tecnologia para tornar os negócios inteligentes e conectados

O mundo está ficando cada vez mais digital; processos que antes eram completamente manuais hoje não sobreviveriam sem o auxílio de máquinas. Por isso, também é cada vez mais frequente vermos os investimentos das grandes companhias em plataformas que possam otimizar todo e qualquer processo dentro de suas instalações, sejam eles para o público interno ou externo da empresa.

E se alguns anos atrás era necessário comprar exclusivamente softwares de gestão e se adaptar às suas funcionalidades, hoje há plataformas muito mais completas e modulares, que podem se adequar às necessidades de cada empresa para que os resultados sejam sempre os melhores.

 

Quem prova isso é a SAP, que está trazendo para o Brasil a metodologia SAP Leonardo Services. Unindo alta tecnologia e consultoria business-oriented, ela funciona como um verdadeiro parceiro de inovação e transformação digital para os clientes, ajudando na capacitação das ferramentas e também na modelagem dos negócios.

Ou seja: um serviço completo que pode permitir aos profissionais se dedicarem mais às suas atividades e menos a burocracias. De acordo com a necessidade de cada empresa, a SAP pode fornecer o Leonardo Services em módulos ou em pacotes completos para construir soluções para diferentes setores do mercado. Conheça agora um pouco sobre esses módulos:

  • Explore: módulo em que o cliente participa de sessões de inspiração sobre possibilidades futuras. Além disso, visa descobrir como um desafio específico do negócio pode ser abordado.
  • Re-Imagine: geração de novas ideias e construção detalhada de uma solução que seja factível, escalável, desejável e viável.
  • Create: criação de protótipos funcionais para testes com dados reais do cliente, com o objetivo de testar as funcionalidades e encontrar potenciais riscos na solução.
  • Validate: nesta etapa ocorre a validação do protótipo e o planejamento de escalabilidade do projeto.
  • Scale & Transform: no módulo final, são realizadas a implementação da solução desenvolvida, a ativação dos usuários e uma análise de sucesso do sistema.

O sucesso das soluções desenvolvidas através da metodologia de Leonardo Services é possível a partir de um engajamento entre as equipes da SAP e do cliente, possibilitando uma sinergia entre times e a correta seleção do problema, assim como desenho da solução. A SAP espera, com esse serviço, oportunizar a inovação assertiva auxiliando as empresas a entrarem de forma efetiva no mundo digital.

Categorias
CARGOS & RENDA

Manja de TI e quer morar no Canadá? País está recrutando profissionais

Os brasileiros estão cada vez decididos a deixar o país e construir uma carreira de sucesso no exterior. De olho nesse perfil de profissionais, a Agência de Desenvolvimento Econômico da cidade de Québec – Québec International­ – promove mais uma missão de recrutamento virtual. Empresas canadenses estão oferecendo oportunidades para a área de TI.

Além das qualificações, o conhecimento do idioma francês é um dos requisitos. Os candidatos podem cadastrar-se gratuitamente até o dia 6 de janeiro de 2019. As áreas mais demandadas em TI são: Java, C#, C++, .Net, BI, SAP, Microsoft SharePoint, Cobol, visual studio, entre outras.

Mercado promissor

Em abril deste ano, 98 brasileiros foram recrutados pelo programa – um total de 300 desde o início da ação. A qualificação dos profissionais e a fácil adaptação ao idioma francês e à cultura quebequense atraem as empresas locais.

No período de 26 de novembro a 5 de dezembro, a Québec International e o Ministério de Imigração do Québec desembarcam no país e promovem palestras em São Paulo, Campinas e Curitiba, para esclarecer dúvidas sobre o mercado local.

Como participar?

Interessados, devem acessar o site https://www.quebecentete.com/pt/ e enviar o currículo em francês. As entrevistas serão por videoconferência, no Skype, entre os dias 18 de fevereiro e 1º de março, com os executivos das empresas contratantes.

Se escolhido, o profissional assinará um contrato temporário que varia de um a três anos, podendo ser renovado de acordo com a necessidade da companhia. Os gestores darão todo o suporte nos trâmites de imigração junto às autoridades locais e custearão todos os gastos do processo.

Categorias
CARGOS & RENDA

Estas são as 96 profissões do futuro, segundo o Fórum Econômico Mundial

São Paulo – Longe de ser um apocalipse de empregos, as profissões do futuro podem criar 1,7 milhões de novas oportunidades apenas em 2020, de acordo com análise divulgada no Fórum Econômico Mundial em Davos nesta quarta-feira, dia 22. Até 2022, devem ser criados 6,1 milhões de empregos.

O relatório “Jobs of Tomorrow: Mapping Opportunity in the New Economy” é o resultado de uma parceira do New Metrics CoLab, do Fórum Econômico Mundial, com cientistas de dados das empresas Burning Glass Technologies, Coursera e LinkedIn.

A adoção de novas tecnologias junto a tendências globais, como a emergência climática, mostra uma demanda mista de habilidades digitais e humanas para o futuro do trabalho, com carreiras surgindo em áreas diversas e organizadas em sete principais grupos nessa análise.

Em cada área, foi feita uma “escala de oportunidades” com a medição de novas vagas para cada 10 mil novos postos de trabalho pelo mundo. Para 2020, a estimativa é que as sete áreas representem 506 de cada 10 mil oportunidades; e a proporção deve subir para 611 até 2022.

Embora o resultado seja uma lista de 96 profissões, algumas terão um crescimento mais acelerado e com maior volume de vagas, enquanto outras terão um volume menor.

No primeiro grupo, o relatório destaca profissionais de Inteligência Artificial, Transcrição Médica, Cientistas de Dados, Especialistas de Sucesso do Consumidor e Engenheiros Full Stack.

Confira as carreiras emergentes e as 10 principais habilidades de cada área:

Saúde

1. Especialista em Transcrição Médica

2. Assessor de Terapia Física

3. Terapeuta de Radiação

4. Treinador atlético

5. Preparador de Equipamentos Médicos

6. Assistente veterinário e de animais de laboratório

6. Fisiologista de Exercício

8. Assistente de Recreação

8. Assistente de Cuidados Pessoais

8. Terapeuta respiratório

11. Assistente médico

12. Treinador de Fitness e Instrutor Aeróbico

13. Técnico de Saúde e Segurança Ocupacional

13. Auxiliares de Enfermagem

13. Funcionários de suporte na saúde

As 10 principais habilidades:

1.  Terapia respiratória

2. Cuidador

3. Técnicas de Esterilização

4. Transcrição

5. Tratamento de Radiação

6. Dosimetria Médica

7. Medição de Sinais Vitais

8. Simulação

9. Suporte Avançado de Vida em Cardiologia (ACLS)

10. Tecnologia Radiológica

Dados e Inteligência Artificial

1. Especialista em Inteligência Artificial

2. Cientista de Dados

3. Engenheiro de Dados

4. Desenvolvedor de Big Data

5. Analista de Dados

6. Especialista em Analytics

7. Consultor de Dados

8. Analista de Insights

9. Desenvolvedor de Business Intelligence

10. Consultor de Analytics

As 10 principais habilidades:

1. Ciência de Dados

2. Tecnologias de Armazenagem de Dados

3. Ferramentas de Desenvolvimento

4. Inteligência Artificial

5. Software Development Life Cycle (SDLC)

6. Consultoria em gestão

7. Desenvolvimento Web

8. Alfabetização Digital

9. Computação Científica

10. Networking de Computação

Engenharia e Computação em Nuvem

1. Engenheiro de Estabilidade de Site

2. Desenvolvedor Python

3. Desenvolvedor Full Stack

3. Desenvolvedor Javascript

5. Desenvolvedor Back End

6. Engenheiro Frontend

6. Desenvolvedor de Software Dotnet

8. Engenheiro de Plataforma

9. Especialista em Desenvolvimento

10. Engenheiro de Nuvem

10. Engenheiro DevOps

12. Consultor de Nuvem

13. Gerente de DevOps

14. Analista de Tecnologia

As 10 principais habilidades:

1. Ferramentas de Desenvolvimento

2. Desenvolvimento Web

3. Tecnologias de Armazenamento de Dados

4. Software Development Life Cycle (SDLC)

5. Networking de Computação

6. Interação Humano Computador

7. Suporte técnico

8. Alfabetização Digital

9. Administração de Negócios

10. Engenharia de Desenvolvimento e Aprendizado de Funcionários e Computação em Nuvem E

Economia Verde

1. Técnico de sistemas de gás de aterro/metano

2. Técnico de serviços de turbinas eólicas

2. Vendedor Verde (Green Marketers)

4. Técnico de processamento de biocombustíveis

4. Gerente de Instalações de Energia Solar

6. Especialista de Fontes Hídricas

7. Gerente de Projetos de Energia Eólica

8. Diretor de Sustentabilidade

9. Coletores de Material Reciclável

9. Especialistas de Sustentabilidade

11. Instalador de Painel Solar

12. Engenheiro Sanitário

13. Especialistas em Inspeção e Prevenção de Incêndios Florestais

14. Engenheiro de Energia

14. Operador de Reator Nuclear

As 10 principais habilidades:

1. Marketing Digital

2. Turbinas eólicas

3. Coleta de gás de aterro

4. Mídia Social

5. Inventário de Equipamentos

6. Instalação Solar

7. Normas de Saúde e Segurança

8. Microsoft Power BI

9. Diagramas e esquemas elétricos

10. Marketing de E-mail

Pessoas e Cultura

1. Recrutados de Tecnologia da Informação

2. Parceiro de Recursos Humanos

3. Especialista em Aquisição de Talentos

4. Business Partner

5. Business Partner de RH

As 10 principais habilidades:

1. Recrutamento

2. Recursos Humanos

3. Administração de Negócios

4. Desenvolvimento e Aprendizado de funcionários

5. Liderança

6. Alfabetização Digital

7. Administração de Projetos

8. Gestão de Pessoas

9. Remuneração e Benefícios

10. Línguas Estrangeiras

Desenvolvimento de Produtos

1. Product Owner

2. Analista de Qualidade

3. Agile Coach

4. Engenheiro de Qualidade de Software

5. Analista de Produto

6. Engenheiro de Qualidade

6. Scrum Master

8. Gerente de Produto Digital

9. Líder de Entrega

As 10 principais habilidades

1. Teste de Software

2. Software Development Life Cycle (SDLC)

3. Ferramentas de Desenvolvimento

4. Administração de Projetos

5. Administração de negócios

6. Tecnologias de Armazenamento de Dados

7. Desenvolvimento Web

8. Operação de Manufatura

9. Alfabetização Digital

10. Liderança

Vendas, Marketing e Conteúdo

1. Assistente de Mídia Social

2. Growth Hacker

3. Especialista de Sucesso do Consumidor

4. Coordenador de Mídias Sociais

5. Gerente de Growth

5. Representante de Desenvolvimento de Vendas

7. Especialista de Marketing Digital

8. Representante de Vendas Comerciais

9. Representante de Desenvolvimento de Negócios

10. Especialista de Consumidor

11. Especialista de Conteúdo

12. Produtor de Conteúdo

13. Escritor de Conteúdo

13. Especialista de Parcerias

15. Especialista Digital

15. Diretor Comercial

17. Especialista de Ecommerce

18. Líder de Parcerias

19. Gerente de Commerce

19. Líder Digital

19. Executivo de Contas Enterprise

22. Consultor de Marketing Digital

22. Especialista de Desenvolvimento de Negócios

24. Gerente de Marketing Digital

24. Diretor de Estratégia

26. Creative Copywriter

27. Diretor de Marketing

28. Líder de Desenvolvimento de Negócios

As 10 principais habilidades:

1. Marketing Digital

2. Mídia Social

3. Administração de negócios

4. Alfabetização Digital

5. Publicidade

6. Marketing de Produto

7 Vídeo

8. Design Gráfico

9. Liderança

10. Escrita

Categorias
CARGOS & RENDA

15 cargos em alta na área de tecnologia com salários de até R$ 45 mil

Levantamento exclusivo para EXAME mostra as principais tendências de habilidades, linguagem de programação e carreira na área de tecnologia

 

São Paulo – A área de tecnologia e os profissionais com habilidades digitais continuam sendo os mais requisitados no mercado de trabalho em 2020.

Com cada vez mais empresas passando pela transformação digital, o vácuo de talentos com as habilidades técnicas para preencher a demanda do mercado está aumentando.

Até 2024, a busca por esses profissionais chegará a 70 mil por ano no Brasil, mas o número de formados na área será de 46 mil, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom).

Segundo Edney Souza, diretor acadêmico da Digital House, os recrutadores se tornaram mais ágeis para contratar na área, o que tem aumentado essa lacuna.

“Eles sabem de que empresas vão roubar os funcionários e o que vão oferecer para puxar esse talento imediatamente. Para quem está no mercado, não necessariamente um salário maior será o primeiro motivo para trocar de emprego, mas o desafio da vaga e o forte employer branding da empresa”, explica ele.

Durante o ano, áreas relacionadas a dados, computação em nuvem e cibersegurança devem ficar no radar no mercado. Especialmente com a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entra em vigor este ano e vai exigir que as companhias se adaptem às normas de segurança digital.

Ainda são poucos os especialistas nessa área e os recrutadores devem ter problemas para contratá-los. Quem já tem experiência na área não tem dificuldade para conseguir trabalhos e não costuma ter interesse em ter um emprego fixo, preferindo a autonomia e liberdade para escolher quando trabalha.

No quesito técnico, três linguagens de programação ainda terão maior relevância: Python, Node.js e Java.

“Java sempre foi muito utilizada e segue como destaque pela versatilidade. O Node.js é mais ágil e flexível, uma linguagem de desenvolvimento web e que tem bastante procura. A Python se assemelha com o Java pelo seu uso comum, também é positiva por ser simples para aprender o básico e tem bibliotecas próprias. Ela é usada tanto para fazer tratamento de dados, como para rodar algoritmos”, explica o diretor.

Além disso, outras habilidades também serão importantes para formar profissionais digitais, trabalhando diretamente com a área de TI ou não. São elas:

– Pensamento Crítico e Inovação
– Flexibilidade Cognitiva
– Data Driven Mindset
– Storytelling
– User Experience Mindset
– Criatividade e Cultura Digital

Para entender melhor o cenário, EXAME fez um levantamento exclusivo com a Digital House e as consultorias Catho, Talenses, Hays, Revelo, Michael Page, Page Personnel e Stato. Confira os 15 cargos em alta para 2020:

Programador Node.js

O que faz: atua no desenvolvimento de aplicações e programas usando a linguagem Node.js, aplicando boas práticas de engenharia de software para garantir a qualidade e viabilizar a contínua evolução do sistema. Processo comum à área de desenvolvimento, o programador atuará em todas as etapas até ter o produto final, desde as atividades de concepção até a implementação e entrega para os usuários.

Perfil: Profissionais que não têm experiência com Node.js, mas conhecem bem JavaScript podem ter uma transição mais tranquila para começar a atuar com Node. Conhecer métodos ágeis e ter boas noções de desenvolvimento incremental de um produto digital contribuem muito para o sucesso na área. Além disso, como se trata de tecnologia, é essencial estar sempre atualizado com relação à evolução da linguagem e também ao que estão fazendo no mercado.

Por que está em alta: observamos um aumento crescente na utilização de sites e sistemas web por empresas de todos os portes e segmentos, e Node.js vem sendo amplamente utilizado. Logo, a procura por profissionais que entendam bem dessa tecnologia segue o mesmo ritmo de crescimento.

Salário: entre R$ 2 mil e R$ 9 mil

Desenvolvedor Python

O que faz: é responsável por desenvolver sistemas utilizando a linguagem Python, realizando a programação segundo a tecnologia e também buscando melhorias em aplicações atuais.

Perfil: orientação a resultados, analítico, detalhista e autônomo

Por que está em alta: a linguagem Python continua em ascensão com a utilização por companhias como Google e Spotify. A principal razão para a ascensão de seu uso é a facilidade de aprendizado para iniciantes, além de excelentes recursos em sua biblioteca. É uma linguagem bastante predominante em ciência de dados, inteligência artificial e Big Data, conceitos recentes que tornam o profissional ainda mais valorizado no mercado.

Salário: entre R$ 7 mil e R$ 14 mil

Desenvolvedor RPA

O que faz: especialista em automação robótica de processos. Em outras palavras, é o desenvolvedor que atua na estruturação e implementação de soluções de automação com o uso de softwares, mais conhecida como robôs. O foco é substituição de tarefas repetitivas e operacionais por automações, aumentando a eficiência do dia a dia das empresas.

Perfil: O cargo requer habilidades específicas e conhecimento de práticas como mapeamento e documentação de processos, bem como planejamento e desenvolvimento de automações. É imprescindível saber programar e ter boa compreensão do processo de desenvolvimento de software, adotando práticas como implementação de testes automatizados a fim de garantir qualidade. Além de entender de gerenciamento de projetos de automação de fluxo de trabalho, também é essencial ter a capacidade de navegar por soluções distintas de RPA, como o UiPath ou o Automation Anywhere.

Por que está em alta: cada vez mais as empresas estão voltadas para a otimização de operações, buscando redução de custos e, consequentemente, melhores resultados. Com RPA, as organizações podem automatizar os processos de negócios, permitindo que os usuários dediquem mais tempo às outras atividades que demandam, essencialmente, a atenção humana tal como o suporte direto a sua carteira de clientes.

Salário: entre R$ 2 mil e R$ 8 mil

Desenvolvedor Java

O que faz: é responsável por desenvolver sistemas utilizando a linguagem de programação Java, implantando os programas e também realizando testes e análises de melhoria sobre aplicações já desenvolvidas

Perfil: orientação a resultados, analítico, detalhista e autônomo

Por que está em alta: Java ainda é o padrão mais utilizado pelas companhias por sua versatilidade e histórico de utilização, o que proporciona uma comunidade de desenvolvedores bastante engajada.

Salário: entre R$ 5 mil e R$ 12 mil

Desenvolvedor.NET

O que faz: Planeja, codifica, depura e testa sistemas usando a plataforma .NET. Ou seja, profissional participa de todo o ciclo de desenvolvimento, atuando desde as atividades de entendimento do que será desenvolvido, passando pela implementação/depuração/testes de novas funcionalidades, até a manutenção do sistema por meio de pequenas melhorias e/ou resolução de eventuais correções mapeadas junto aos usuários.

Perfil: O mercado busca profissionais voltados ao desenvolvimento de aplicações em .NET, utilizando as melhores práticas de engenharia de software alinhadas a estratégia de evolução de um produto. Ou seja, há uma grande demanda por desenvolvedores que conheçam bem .NET, mas que também tenham foco em entregar o maior valor para o cliente no menor tempo possível, prezando sempre pela qualidade do sistema e pela melhor experiência para o usuário.

Por que está em alta: a necessidade de se contratar pessoas qualificadas aumentou devido ao crescimento de websites e aplicações construídas utilizando a linguagem .NET.

Salário: entre R$ 2 mil e R$ 6 mil

Especialista DevOps

O que faz: Atua bem próximo ao time de desenvolvimento de software, ampliando o conhecimento dos desenvolvedores sobre infraestrutura, disseminando práticas da cultura DevOps e contribuindo para aumentar a velocidade e qualidade nas entregas de valor. Na prática, é o profissional que trabalha trazendo mecanismos para termos mais confiabilidade e qualidade para os sistemas, desde a idealização do produto, passando pela implementação até a entrega para o cliente final.

Perfil: Em essência, deve estar imerso nas atividades de desenvolvimento, pensando em formas de simplificar processos, aumentar eficiência do uso de infraestrutura, alcançar maior qualidade nas entregas e reduzir o tempo de resposta das aplicações para o cliente. Acompanhar indicadores de performance dos sistemas, entender como ampliar os dados capturados e levar essa conscientização para os desenvolvedores também faz parte do trabalho. É necessário ter conhecimento em metodologias de desenvolvimento e deve ter a proatividade para automatizar processos e tarefas. Também é imprescindível que tenha conhecimentos em arquitetura de soluções/sistemas para que, com isso, aplique as melhores práticas na implementação de ambientes.

Por que está em alta: no momento, temos TI cada vez mais atuante junto ao negócio e amplo crescimento do interesse das empresas em otimizar seus processos para alcançar melhores resultados. Corporações de todos os portes estão antenadas às inovações, principalmente no que se refere aos ganhos em eficiência operacional, ao  aumento da qualidade dos serviços e da satisfação dos clientes internos e externos

Salário: entre R$ 3 mil e R$ 13 mil

Cientista de Dados

O que faz: tem como atuação trazer visões decisivas para a empresa, tornando-a mais inteligente, fazendo o tratamento do dados históricos que a empresa possui, ou no caso os dados do seus clientes, que poderão ser decisivas em tomadas de decisões futuras da empresa.

Perfil: profissionais analíticos, com pensamento lógico, habilidade com números, conhecimento em programação, com formação em Computação, Estatística, Matemática, etc.

Por que está em alta: são informações valiosas, que uma vez interpretadas e colocado inteligência nelas, podem levar a performance da empresa para outro patamar, pois dará o foco correto para onde a estratégia da empresa deve se direcionar.

Salário: entre R$ 8 mil e R$ 20 mil

Product Owner

O que faz: principal responsável por organizar a lista de atividades e os sprints que vão constituir as etapas de desenvolvimento, implementação, e lançamento de recursos em produtos.

Perfil: além de técnicas de desenvolvimento para implementar no produto, deve também dominar técnicas e modelos de gerenciamento, garantindo que os esforços sejam direcionados de modo que contribuam efetivamente com o processo de melhoria do projeto.

Salário: em média, 7.228 reais

Especialista em UX (User Experience)

O que faz: a função deste profissional é definir a melhor combinação de elementos visuais para melhorar a interação do usuário com um produto ou serviço.

Perfil: desenvolve novos produtos pensando na demanda de mercado, avalia e mensura experiência do consumidor, navegação do usuário, entre outros.

Por que está em alta: com o crescimento digital é muito fácil obter qualquer informação ou experiência de outro usuário a respeito de produtos ou empresas, o consumidor tem sido cada vez mais exigente e focado na boa experiência.

Salário: Entre R$ 5 mil  e R$ 12 mil

Engenheiro de software

O que faz: desenvolvimento e arquitetura de software, web e mobile.

Perfil: desenvolvimento de aplicações Web (Backend ou Frontend) e móvel (Android ou IOS), por meio de diversos tipos de linguagem de programação, frameworks e banco de dados. Em muitas posições são os responsáveis também pelo desenho da arquitetura e da definição das tecnologias a serem utilizadas.

Por que está alta: o mercado está passando por um aquecimento dessas posições devido aos projetos de transformação digital em diversos setores e também pelo crescimento das startups.

Salário: entre R$ 8 mil a R$ 18 mil

Especialista em Segurança da Informação

O que faz: profissional da área de segurança da informação é responsável pela integridade de informações sensíveis ao negócio, assegurando também a confidencialidade de informações sensíveis à organização. Possui papel importantíssimo na continuidade do negócio em colaborar para disponibilidade e autenticidade das informações em Sistemas e Infraestrutura.

Perfil: Visão Sistêmica, comunicação estruturada, perfil relacional, visão propositiva, conciliador

Por que está em alta: Garantir a segurança dos dados é um dos principais desafios das corporações em um ambiente Digital. A chegada da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) traz uma evidência adicional à área, tornando os profissionais que unem a visão técnica à um olhar holístico do negócio e da governança dos dados cada vez mais valorizados e requisitados pelo mercado·

Salário: entre R$ 15 mil e R$ 20 mil

Gerente de TI

O que faz: Abaixo do CTO (diretor de tecnologia) está o gerente de TI, que, em parceria com ele, conduz os projetos, organizando e revisando processos junto às equipes de trabalho. É tarefa dele ainda identificar oportunidades de aplicação de novas tecnologias no dia-a-dia da operação.

Perfil: Sólido conhecimento nas subáreas de Tecnologia. Com certificações como PMP, PMBOK, ITIL, perfis com conhecimentos em metodologias ágeis são muito bem requisitados, o inglês aqui também é interessante para o cargo.

Salário: Entre R$ 15 mil e R$ 30 mil

Por que está em alta: A era da globalização digital exige mais do que nunca profissionais de TI

DPO (Data Protection Officer)

O que faz: com a nova Lei Geral de Proteção de Dados, que entra em vigor em agosto de 2020, o DPO será o profissional encarregado de administrar e avaliar todos os dados da empresa, desde a coleta até o tratamento das informações. Também possuirá um papel de interlocutor com o órgão regulatório de fiscalização de dados.

Perfil: importante que o profissional tenha visão interdisciplinar, englobando governança de tecnologia, segurança da informação e cibersegurança, além de entender sobre a nova legislação que entrará em vigor. Importante que seja um bom comunicador para se relacionar com autoridades e profissionais de dados.

Por que está em alta: o cargo de DPO é extremamente novo e o mercado está ainda em processo de maturação quanto à posição, demandando muitos profissionais nesse momento.

Salário: entre R$ 20 mil e R$ 30 mil

CDO (Chief Digital Officer)

O que faz: executivo responsável por liderar a transformação digital das empresas.

Perfil: precisa ser um profissional híbrido, acostumado com as rotinas de tecnologia e com o universo digital. Ter capacidade de se envolver em múltiplas tarefas na empresa, como tomadas de decisões por meio de dados, transformação de processos e de conhecimento, habilidade para se relacionar com os principais stakeholders de diversas áreas, como produção, vendas e marketing, além de tecnologia da informação; e conseguir lidar com a cultura organizacional da empresa, principalmente com a transformação de pessoas e não só da TI, dentro do contexto de transformação digital.

Por que está em alta: o trabalho do CDO permite que tecnologias como big data, internet das coisas, mobilidade e inteligência artificial e metodologias e conceitos como design thinking, design sprint, Scrum, DevOps e MVP sejam adotados para melhorar o desempenho e eficiência da companhia, alcançado e garantindo resultados melhores numa maior velocidade.

Salário: entre R$ 30 mil a R$ 45 mil

CTO (Chief Tecnhology Officer)

O que faz: Na tradução, é o diretor de tecnologia, responsável por toda a operação da empresa voltada para a área técnica, garantindo que o departamento de TI tenha desempenho satisfatório. Esta função envolve decisões relevantes sobre quais soluções adotar visando a melhor relação custo-benefício.

Perfil: antenado, com atuação forte nas subáreas de TI. Perfis com atuação em Transformação Digital e Indústria 4.0 tem a preferência dos recrutadores. Entende-se que o inglês é requisito quase obrigatório.

Por que está em alta: A era da globalização digital exige mais do que nunca profissionais de TI.

Salário: entre R$ 30 mil e R$ 40 mil