NOTÍCIAS

62% dos brasileiros não sabem reconhecer uma notícia falsa, afirma Kaspersky

De acordo com companhia, média é ainda maior dentro da América Latina; conheça dicas para não ser enganado

Apesar de ser uma prática bastante presente nos setores que lidam com mídia e segurança da informação, identificar uma notícia falsa (também conhecida como fake news) ainda é uma tarefa desconhecida para a maioria das pessoas da América Latina. Essa foi a percepção da Kaspersky após uma pesquisa realizada com internautas da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru.

De acordo como estudo Iceberg Digital afirma que 70% dos latino-americanos não sabem identificar se uma notícia da internet é falsa ou verdadeira. O estudo foi produzido para entender a probabilidade de a população se tornar vítima de um “iceberg digital” – sites aparentemente confiáveis, mas que compartilham dados errados.

O estudo mostrou também que, em média, um terço dos latino-americanos usa apenas as redes sociais para se informar diariamente e apenas 17% se informam em sites da mídia tradicional. Destes, os que utilizam as redes mais vezes com esse propósito são os mexicanos (35%), seguidos pelos brasileiros (33%) e chilenos (32%). Mais atrás estão os peruanos (31%), argentinos (28%) e colombianos (26%).

Países no detalhe

No ranking publicado pela companhia, os peruanos são o povo com maior dificuldade em fazer essa divisão (79% da população não sabe identificar), seguidos por colombianos (73%) e chilenos (70%), argentinos e mexicanos (66%).  Por fim, os brasileiros estão com (62%).

Quando a pesquisa apontou que, na média, 16% dos entrevistados desconhecem completamente o termo “fake news”. Da mesma forma que na outra pesquisa, o nível de desinformação entre os brasileiros foi menor: apenas 2% afirmaram nunca ter ouvido falar da expressão.

Em relação à idade dos entrevistados, a pesquisa mostrou que são os jovens entre 18 e 24 anos (38%) que usam as redes para saber o que está acontecendo em seu país ou região. Os que menos se informam por meio dessas plataformas são internautas entre 35 e 50 anos.

O mais alarmante é que quem mais compartilha ou comenta fake news
em seus perfis são os usuários entre 25 e 34 anos – interessante ver
que os que menos praticam essas ações perigosas são os jovens (18 e 24
anos).

esforço necessário para aumentar o conhecimento das pessoas,  praticamente todos os respondentes que conheciam o termo entendiam sua gravidade e o mal que essa prática pode causar: 72% dos entrevistados acreditam que as fake news viralizam para que alguém receba algo em troca ou para causar dano a algo/alguém.

“No caso de fake news, além de prejudicarem uma pessoa ou instituição, podem também destruir reputações e gerar caos. Elas também são usadas pelos cibercriminosos para atrair usuários desatentos para links maliciosos e, assim, roubar dados pessoais e dinheiro”, alerta Fabio Assolini, pesquisador sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

Precauções

Para evitar disseminar fake news, os especialistas da Kaspersky recomendam:

  • Tenha cuidado ao buscar informações sobre notícias muito recentes e sempre verifique fontes oficiais de notícias.
  • Anúncios em redes sociais que parecem ser bons demais para ser verdade, provavelmente não são. Não clique em links de fontes desconhecidas e com reputação desconhecida. Se você clicar nesses anúncios, não revele informações pessoais, financeiras ou confidenciais.
  •  Seja cauteloso e responsável ao compartilhar conteúdo duvidoso em redes sociais, aplicativos de mensagens instantâneas ou e-mails.
  •  Verifique se o seu computador está atualizado com as versões mais recentes dos softwares (navegadores, plug-ins, correções de segurança).

Sobre o Autor

REDAÇÃO

Comentar

Click here to post a comment